VIOLÊNCIA EM CAMPINA GRANDE FORÇA FACULDADES A FECHAREM AS PORTAS

Ônibus-incendiado-1-300x276Faculdades privadas de Campina Grande cancelaram as aulas na noite da quarta-feira (13) após criminosos terem ateado fogo em dois ônibus de transporte coletivo. Algumas delas divulgaram por meio de suas assessorias de imprensa e outras liberaram aos alunos assim que eles foram chegando à instituição. Apenas a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) mantiveram as aulas normalmente, mas informaram que poucos alunos compareceram. Os ônibus de transporte coletivo pararam de circular por volta das 20h depois da decisão tomada pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus. Eles só voltaram para a rua na manhã desta quinta-feira (14). Lojas também suspenderam as atividades na quarta-feira após as ocorrências registradas na cidade durante o dia. Ocorrências Ônibus-incendiado-1-300x276Um ônibus foi incendiado por volta das 14h30. Um grupo de pessoas armadas e encapuzadas invadiu o ônibus na rua Edmundo Pereira da Silva, no bairro do Pedregal. Testemunhas informaram aos policiais que os criminosos mandaram todos os passageiros e funcionários descerem do veículo. Em seguida, atearam fogo no ônibus. A outra ocorrência aconteceu entre o bairro dos Cuités e o distrito do Jenipapo, por volta das 16h. Segundo as vítimas informaram à polícia, um assaltante estava dentro no veículo como passageiro e rendeu o motorista. O outro seguia atrás do ônibus em uma motoneta. Ambos estavam armados e não escondiam os rostos. Ele roubaram os pertences de todos passageiros, do motorista e o valor do caixa. Eles atiraram para cima e atearam fogo no veículo, mas o motorista usou o extintor e o fogo não se alastrou. Ninguém foi preso após os crimes. Ainda na quarta-feira, por volta das 8h, presos do Presídio Regional do Serrotão se rebelaram. De acordo com a direção, os detentos se revoltaram após as visitas serem canceladas. Essa medida foi tomado depois de um detento ser decapitado. Grades de celas foram quebradas. O tumulto foi encerrado por volta 15h30 com a ajuda da cavalaria da Polícia Militar que entrou nos pavilhões. O comandante geral da Polícia Militar na Paraíba, o coronel Euller Chaves, não descarta que a ordem para atear fogo nos ônibus tenha partido de dentro do Serrotão. “Essa afirmação só pode ser feita após uma investigação completa. Mas nós estamos atentos com a PM e a Polícia Civil para restaurar a ordem a pública e a tranquilidade da cidade”, afirmou.

 G1/PB

Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.