Salgueiro e Vila Isabel se destacam em desfile marcado pela chuva


Maestro Isaac Karabtchevsky, 80, foi homenageado no desfile da Vila Isabel
Maestro Isaac Karabtchevsky, 80, foi homenageado no desfile da Vila Isabel
Na primeira noite de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial do Rio, a bolsa de apostas não se confirmou e Salgueiro –vice-campeã em 2014, mas que neste ano não figurava nas listas de favoritas– despontou como o principal destaque, com um desfile luxuoso sobre a culinária mineira.
Outra escola que se apresentou bem e não estava nas “cabeças” foi a Vila Isabel, que homenageou o maestro Isaac Karabtchevsky e a música clássica.
Ambas também foram favorecidas por passar pela avenida na segunda metade do desfile, que aconteceu sem chuva, ao contrário do cenário encontrado pelas três primeiras escolas. A Grande Rio também desfilou no “seco” e fez uma boa apresentação.
Penúltimo a desfilar, o Salgueiro trouxe carros e fantasias grandes, luxosos e bem acabados desde o início do desfile. Na comissão de frente, bailarinos representavam “índios enlouquecidos” que faziam acrobacias na avenida, segundo seu idealizador, o coreógrafo Hélio Bejani.
No abre-alas, seguiam as referências à cultura indígena. O segundo carro, que representava o garimpo de diamantes, foi o mais aplaudido. Na alegoria estavam os protagonistas da novela da TV Globo “Império”: Leandra Leal (Cristina), Alexandre Nero (comendador José Alfredo) e Lília Cabral (Maria Marta) – os três cantavam o samba e arrancavam gritos da plateia.
Sem grandes expectativas, a Vila Isabel conseguiu fazer uma apresentação que agradou o público, a começar pela comissão de frente, composta por bailarinos (no chão) e acróbatas, que saltavam numa cama-elástica. O enredo sobre Karabtchevsky permitiu ao carnavalesco Max Lopes criar fantasias e alegorias luxuosas e coloridas. No abre-alas, todo em dourado, vinha o maestro. Outro maestro foi retratado numa alegoria, junto a seu trenzinho caipira: Villa-Lobos.
Última a entrar na Sapucaí, a Grande Rio começou seu desfile com “truques” na comissão de frente, cujos componentes representavam os personagens de “Alice no País das Maravilhas” e foram “cortados ao meio” em determinado momento, virando um par de anões, que dançava junto.
A Mocidade Independente de Padre Miguel, tida como uma das favoritas, saiu do sambódromo sem a esperada aclamação popular, apesar de ter começado seu desfile bastante aplaudida. A escola trouxe ainda à frente da bateria a cantora Claudia Leitte, estreando na Sapucaí.
Também sob forte chuva, a Mangueira entrou na Sapucaí entre as favoritas, muito em razão do samba-enredo inspirado em uma música de Benito di Paula, “Mulher Brasileira”. Retratada em um carro que homenageava ainda cantoras mangueirenses, Alcione queimou o pé num refletor. Foi atendida no posto médico da dispersão e levada de ambulância a um camarote. Passa bem, segundo a equipe médica da prefeitura.
Primeira a desfilar, a Viradouro fez um desfile repleto de referências à cultura afrobrasileira. A escola usou como base de seu enredo dois samba do compostitor Luiz Carlos da Vila. Fundidas numa só, as composições não funcionaram tão bem e o samba não empolgou.
Folha Online
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.