Era para acertar meu filho’, diz pai sobre criança que viu mãe ser morta


criminosodispara
O marido da guarda-civil metropolitana que foi morta na Avenida Nordestina, Zona Leste de São Paulo, contou que o filho de 7 anos também foi alvo do criminoso. Segundo o viúvo José Roberto da Silva, o ladrão atirou na direção da criança, que ficou ferida. O crime aconteceu na manhã desta quarta-feira (28). Ana Paola Teixeira, de 38 anos, foi socorrida, mas não resistiu.
“Eu não sei se foi o disparo que efetuou ali à queima-roupa, mas ele está com a face queimada de pólvora. O olho está roxo. A pálpebra está roxa. Mas, provavelmente, quando ele sai da linha da câmera, ele efetua o disparo, porque estoura o vidro traseiro e o vidro da tampa. Era para acertar meu filho”, disse José Roberto.
As câmeras de uma empresa registraram o assassinato. Às 6h35, Ana Paola encostou o carro no estacionamento de uma loja na frente da casa dela. O menino estava no banco de trás do automóvel. A guarda-civil, que estava fardada, esperava o transporte escolar e depois iria trabalhar.
As imagens mostram que um homem se aproximou e sacou uma arma. Houve uma troca de tiros. O criminoso saiu correndo e depois voltou. O ladrão colocou metade do corpo dentro do carro, pegou a arma de Ana Paola e fez novos disparos. O menino saiu do carro e pediu ajuda. Dois homens pararam para socorrer.


O marido de Paola chegou correndo. Ele viu a mulher baleada e, no desespero, chegou a cair, mas foi ele que a levou para o Hospital Tide Setúbal, em São Miguel Paulista, também na Zona Leste, onde Ana Paola acabou falecendo.
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.