Custo do etanol no Brasil ainda é o mais baixo do mundo

#portalbrejonews #noticia #brejonews



Mesmo assim, o Governo Federal não incentiva efetivamente sua produção.

Segundo dados da Agência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad) publicados pelo Valor On Line, o Brasil continua a ter o menor custo de produção de etanol em grande escala do mundo. No Brasil, a produção de um litro de etanol custa cerca de US$ 0,18, enquanto que em países desenvolvidos pode variar de US$ 0,20 a US$ 1,38. Na China esse custo varia entre US$ 0,28 a US$ 0,46 e na Índia pode chegar a US$ 0,44. Em meio a isso, o comércio de etanol também tende a crescer em boa parte no fluxo entre Estados Unidos da América - EUA e Brasil. Os americanos poderão importar 14,6 bilhões de litros de etanol, sobretudo do Brasil, até 2022.
Para o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, se o custo já é um dos baixos do mundo, o que falta é incentivo para a produção interna. “Há mercado para a produção do combustível dentro e fora do país, o que falta é o Governo Federal perceber isso, levar a sério e incentivar o produtor e a indústria nacional com uma política que fortaleça o setor sucroenergético”, defendeu o dirigente, lembrando que parte do setor hoje depende de ações pontuais como a subvenção econômica do governo para repor perdas e sobreviver.
Ainda segundo a Unctad, o etanol agora representa 1% do uso global de energia, em um contexto marcado pelo uso de tecnologia  de segunda geração, preocupações sobre as mudanças climáticas e pressões econômicas desenhando o futuro desse segmento. Nos últimos anos, os EUA se tornaram o maior país produtor de etanol do mundo, em parte por causa da redução da oferta do biocombustível feito a partir da cana no Brasil. A agência projeta avanço de 70% da produção global até 2022. Nesse horizonte, os três maiores produtores serão os Estados Unidos, com fatia de 48%, o Brasil (28%) e a União Europeia (7%). “O Brasil ainda poderia ficar com uma fatia maior desse mercado, se tivesse incentivos”, rebateu Murilo Paraíso.

Assessoria de Imprensa
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.