Aulas em inglês ganham espaço na graduação da USP

#portalbrejonews #noticia #brejonews



Era preciso melhorar a projeção internacional da faculdade

 Para alguns alunos da USP (Universidade de São Paulo), é possível ter aulas da graduação em inglês sem cruzar a fronteira. A fim de internacionalizar os cursos e facilitar a adaptação de intercambistas estrangeiros, faculdades têm estimulado a criação de disciplinas em outro idioma. A fraca presença do inglês — na graduação e até na pós — é um dos fatores que pesam contra universidades brasileiras nos rankings internacionais.
As faculdades da USP podem ofertar disciplinas optativas em inglês, contanto que tenham aval da Pró-reitoria de Graduação. Matérias obrigatórias também podem ser dadas em outro idioma, desde que também haja oferta em português. O inglês como primeiro idioma é mais comum em seminários ou cursos de curta duração, geralmente na pós.
A FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade) é uma das poucas escolas da USP na capital com disciplinas em inglês na graduação. Em 2014, o pacote de aulas em outro idioma na FEA foi reforçado com o Projeto Discovery, parceria com a Universidade de Illinois, nos Estados Unidos. Em 2014, quatro disciplinas optativas em inglês já foram ofertadas, com docentes brasileiros.
— Era preciso melhorar a projeção internacional da faculdade, explica Fernando Murcia, docente da FEA e um dos coordenadores do Discovery. De acordo com ele, as disciplinas permitem aprimorar habilidades exigidas no mercado, como a capacidade de apresentar projetos em outro idioma.
Com experiências no Canadá e na Inglaterra, Fernando Trambacos, aluno do 3º ano de Ciências Contábeis da FEA, não teve problemas com uma matéria em inglês, mas para os colegas a língua é uma barreira.
— Na minha turma, algumas pessoas não dominam o inglês. Alguns gostariam de ter feito, mas não se sentiram seguros, diz.
Segundo Trambacos, o inglês é importante na busca por estágio ou vaga na pesquisa.
— Se não falo inglês, não tenho acesso aos principais artigos e ao conhecimento de primeira linha.
No interior
Há cinco anos, a FEA de Ribeirão Preto oferece três disciplinas em inglês na graduação. Segundo Luciana Morilas, coordenadora do projeto internacional da unidade da USP, o inglês é central para expandir os acordos de intercâmbio.
— Algumas universidades estrangeiras cobram parte do conteúdo em inglês para fazermos convênios e enviarmos alunos, explica.
As aulas em inglês também facilitam a adaptação de intercambistas como o francês Alexis Babin, do curso de Administração.
— Elas me ajudaram a entender a universidade e a economia local, diz.
da Redação (com assessoria)
Compartilhe no Google Plus
    Faça seu comentario pelo Gmail
    Faça seu comentario pelo Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.